Motivacional

Aplicações da curva de mudança Kubler-Ross

Agora que você conhece o que é a Curva de Mudança de Kubler-Ross, aprenda a aplica-la em sua empresa.

Exemplos da aplicação da Curva de Mudança de Kubler-Ross:

1) Aplicando no mundo dos negócios

A curva da mudança é uma ferramenta muito confiável e que pode ser usada para entender o estágio onde as pessoas estão quando estão passando por uma mudança importante ou significativa na vida. Esta visão não só ajuda os médicos a compreender a transição dos pacientes, mas também ajuda os gerentes a entenderem a posição em que os funcionários estão na medida em que se adaptam às mudanças.

Vamos entender isso, dividindo-o nas várias mudanças ou fases do Modelo Kubler-Ross:

No estágio 1 – Este é o estágio em que os colaboradores podem estar em posição de choque ou negação. Ele ou ela pode não ser capaz de digerir o fato de que tem que sofrer mudanças e se adaptar a algo novo. Eles podem precisar de tempo para digerir essas mudanças e isso pode ser demorado, eles podem negar que precisam de qualquer ajuda ou tempo. Aqui, como gerente ou empregador, o papel deve ser ajudar os funcionários a entender por que isso está acontecendo e como ele pode ser útil. Este estágio exige comunicação para que os funcionários possam ter pleno conhecimento e possam responder suas perguntas. Os empregadores devem ser um ponto fiel para evitar sobrecarregar os funcionários com muita informação de uma só vez e fazer isto de forma lenta e gradual.

No estágio 2 – Quando finalmente a gravidade da situação se instala, e a realidade fica clara, os funcionários ou os trabalhadores podem começar a sentir medo do que está por vir, e isso também pode se transformar em raiva e ressentimento. Eles estavam em uma zona de conforto há tanto tempo e saber que precisam aprender, mudar e se adaptar podem deixa-los irritados. Este estágio deve ser gerido de forma muito sensata por gerências e organizações porque alguns funcionários tendem a desabafar sua raiva de uma forma mais brutal. Isso poderia criar o caos e para evitá-lo, um planejamento cuidadoso deve ser feito com antecedência. Uma clara comunicação e suporte ainda devem ser o foco das organizações neste nível. As organizações devem entender que esta é apenas uma reação natural e, com o tempo, deve passar e abrir caminho para a aceitação.

No estágio 3 – Quando os funcionários finalmente entendem a mudança e percebem como devem se adaptar a novas situações e circunstâncias, eles podem tentar encontrar o melhor cenário possível para se ajustarem ou se adaptarem. Eles podem tentar negociar com a administração para que isto não os comprometa. Eles podem tentar aprender apenas o que eles acham que é importante, mas como empregador ou parte da administração, seu papel deve ser garantir que todos obtenham o melhor treinamento para que a mudança incorporada possa ser executada com sucesso. A fase de treinamento pode levar tempo e para os funcionários, descobrir suas melhores opções para um posto confortável à frente será o foco. Uma empresa não pode apressar os funcionários a aprenderem rapidamente ou se adaptarem às mudanças rapidamente. Não pode esperar 100% de produtividade durante esta fase.

No estágio 4 – A fase de aprendizagem nem sempre é uma zona muito feliz e confortável para a maioria dos funcionários de um local de trabalho. Esta fase poderia resultar em baixas energias no local de trabalho devido à baixa moral e excitação. É importante que a gerência compreenda que esta fase também não é fácil para a equipe de trabalho. Assim, quanto mais emocionante for o treinamento, melhor será para os funcionários avançarem e darem o melhor de si. Os colaboradores podem ter percebido agora que não há nenhuma saída para a situação, e isso pode ser difícil para alguns deles aceitarem.

Na estágio 5 – Este é o estágio que os gerentes ou empresas esperam depois de introduzir uma nova mudança em uma empresa. As pessoas finalmente começam a abraçar a mudança, aceitar a situação e começar a criar novas esperanças e aspirações. Eles percebem e entendem a importância da mudança e se resignam a ela. Enquanto alguns podem demitir-se por falta de qualquer outra opção, outros podem renunciar à realidade de forma positiva. Os gerentes finalmente começarão a ver os benefícios do trabalho duro feito por eles até agora. Nesta etapa a equipe está mostrando melhorias, e a produtividade geral começa a melhorar. A estrada pode ter sido árdua, mas agora é hora de celebrar, avançar em direção a um futuro melhor e esperar mais lucros na esquina.

2) Exemplo da bateria do carro sem carga(sim é isto mesmo)

Um dos melhores exemplos da Curva da Mudança de Kubler-Ross é o exemplo Dead Car Battery(bateria do carro sem carga/morta).

O exemplo mostrado a seguir demonstra claramente o processo de transição de um estágio para outro.

É uma manhã de inverno frio e está escuro. Há uma camada fina de geada no chão, mas você está atrasado para o trabalho e, portanto, tem que correr para o carro estacionado no exterior. Ao colocar a chave na ignição e ligar o veículo, você percebe que a bateria está parada. O que se segue é uma clara demonstração dos estágios de transição de Kubler-Ross:

  • Choque e negação – Sua primeira reação é de choque absoluto e negação. Você não pode acreditar que isso aconteça com você quando você já está atrasado e, assim, tente começar o carro novamente.
  • Raiva – Agora que você percebe que o carro não pode ser ligado, você começa a se sentir bravo e muito irritado com a situação.
  • Negociando – Mesmo sabendo que não vai ajudar, você começa a pedir ao carro para ligar, apenas dessa vez. Você promete em sua mente que você vai melhorar e ter mais atenção com a manutenção do seu carro.
  • Depressão – Todos os pensamentos negativos começam a correr para sua mente. Você começa a sentir depressão, triste e sem esperança. Você teme ser demitido e procura uma saída da situação.
  • Aceitação – Agora você descobre o que você deve fazer em seguida. Você pode pedir um táxi ou um uber e decidir lidar com a situação mais tarde.

Então, em resumo, as mudanças são inevitáveis, seja em sua vida pessoal, espiritual ou profissional, o que difere um vencedor para um perdedor, é saber lidar com esses estágios.

Lembre-se: mudanças são positivas!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *